Fraturas do Quadril

O quadril é o nome dado a articulação correspondente ao osso da bacia com o fêmur. A maioria das fraturas de quadril ocorre em pacientes idosos cujos ossos se tornaram enfraquecidos pela osteoporose. Quando ocorre uma fratura de quadril em um paciente mais jovem, normalmente é o resultado de um evento de alta energia, como uma queda de uma escada ou acidente de trânsito. A maioria dessas fraturas ocorre em pacientes com 65 anos ou mais em traumas de baixa energia, decorrente de quedas domiciliares.

As fraturas de quadril podem ser muito dolorosas. Por esse motivo, o tratamento cirúrgico imediato é recomendado. Tratar a fratura e tirar o paciente da cama o mais rápido possível ajudará a prevenir complicações médicas, como feridas, trombose e pneumonia.

Em pacientes muito idosos, o repouso prolongado na cama também pode levar à desorientação, o que torna a reabilitação e a recuperação muito mais difíceis.

Uma fratura de quadril pode causar lesões em uma das quatro áreas da região superior do fêmur: Colo femoral, Área intertrocantérica, Área subtrocantérica ou na Cabeça femoral.

As fraturas intertrocantéricas e do colo do fêmur são os tipos mais comuns de fratura de quadril. Fraturas da cabeça do fêmur são menos comum e geralmente são o resultado de um evento de alta velocidade.

A maioria das fraturas de quadril resulta de quedas de baixa energia em pacientes idosos com ossos enfraquecidos ou osteoporóticos. Nesses pacientes, mesmo uma simples torção ou queda da própria altura pode causar a fratura.

Fraturas por estresse ou fraturas por impacto repetido também podem ocorrer no colo do fêmur. Essas fraturas são frequentemente vistas em corredores de longa distância ou em praticantes de esportes de resistência. Quando as fraturas por estresse ocorrem na região subtrocantérica do quadril, geralmente estão associadas ao uso prolongado de certos medicamentos para osteoporose (bifosfonatos).

Normalmente, uma fratura de quadril é extremamente dolorosa. A dor geralmente é localizada na virilha e na parte superior da coxa. Na maioria dos casos o paciente não conseguirá ficar em pé, suportar peso ou mover a parte superior da perna ou joelho, mas é capaz de mover o tornozelo e os dedos dos pés.

Um pequeno número de fraturas de quadril pode não ser tão doloroso no início.

Normalmente, essas são fraturas não deslocadas do colo do fêmur e em alguns casos o paciente até consegue ficar de pé e apoiar o pé ao solo.

Os exames de imagem ajudarão a confirmar o diagnóstico e fornecer mais informações sobre a fratura. A maioria das fraturas de quadril pode ser diagnosticada com uma radiografia simples. Imagens de ressonância magnética podem ser realizadas para identificar uma fratura pequena ou incompleta, que pode não ser vista pela radiografia.

A maioria das fraturas de quadril requer tratamento cirúrgico o mais precoce possível de acordo com as condições clínicas do paciente. Apenas um grupo muito pequeno de fraturas não deslocadas em pacientes saudáveis pode ser tratado sem cirurgia, enquanto um grupo muito restrito de pacientes pode estar doente demais para fazer a cirurgia com segurança.

O tratamento cirúrgico é necessário para aliviar a dor aguda da fratura e permitir que o paciente saia do leito ou pelo menos da posição deitada. Realizar a cirurgia o mais rápido possível pode diminuir o risco de complicações. Se o paciente faz uso de medicação anticoagulante, pode ser necessário esperar que o tempo de coagulação melhore antes de realizar a cirurgia.

O tratamento de uma fratura de quadril dependerá do tipo e localização da fratura, bem como da idade e condição do paciente.

Se uma fratura do colo femoral não for deslocada, o tratamento mais comum é a imobilização in situ. Neste procedimento, pinos ou parafusos cirúrgicos são passados através do local da fratura para segurar a cabeça do fêmur no lugar enquanto a fratura cicatriza. A fixação evita que a cabeça femoral se desloque ou deslize do colo femoral, uma situação que exigiria a substituição do quadril.

Um pequeno número de fraturas do colo do fêmur pode ser tratado sem cirurgia. Essas são normalmente fraturas não deslocadas em pacientes jovens saudáveis. Por haver risco de deslocamento, eles precisam ser monitorados com cuidado. O tratamento não operatório consiste em suporte de peso limitado ou protegido com muletas por várias semanas.

As fraturas deslocadas do colo femoral apresentam um problema mais difícil do que as fraturas não deslocadas. O suprimento de sangue para a cabeça frequentemente é lesado, então a fratura tem menos chance de consolidação.

Por esse motivo, as fraturas desviadas do colo do fêmur costumam ser tratadas com artroplastia do quadril. Para pacientes idosos a artroplastia parcial do quadril, é o tratamento Fixação com parafusos de escolha. Em pacientes mais jovens e mais ativos, a artroplastia total do quadril pode ser considerada.

As fraturas intertrocantéricas ocorrem abaixo do colo do fêmur e pode haver dois, três ou mesmo múltiplos fragmentos de fratura. Essas fraturas são tratadas com uma placa lateral com parafusos ou com uma haste intramedular.

A haste intramedular é colocada diretamente no canal medular do osso através de uma abertura feita na parte superior do fêmur. Com este dispositivo existe a possibilidade de deambulação mais precocemente.

Após o procedimento cirúrgico a maioria dos pacientes consegue se levantar da cama e iniciar a fisioterapia. É importante começar a se mover o mais rápido possível. Isso ajuda a prevenir complicações médicas, como trombose, pneumonia e feridas. Para pacientes mais velhos, também ajuda a prevenir a desorientação e a perda do
condicionamento.

Fraturas de quadril em idosos podem causar incapacidade e falta de independência. Foi demonstrado que o movimento precoce e a reabilitação melhoram os resultados a longo prazo.

Durante a recuperação, o trabalho com fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais é fundamental. Eles vão ajudar a realizar exercícios de marcha, descarga do peso corporal e equilíbrio. Eles também mostrarão como administrar as atividades da vida diária, como tomar banho e se vestir.

Utilizamos Cookies em nosso site para você ter uma melhor experiência ao voltar a nos visitar. Clicando em “Aceito”, você concorda em salvar os Cookies no seu navegador.