Ruptura do Aparelho extensor Joelho

Os tendões são estruturas de tecido fibroso que unem os músculos aos ossos.

O mecanismo extensor do joelho compreende o tendão do quadríceps, a patela e o tendão patelar, todos trabalhando em conjunto com um objetivo final que é a extensão da perna.

As rupturas do aparelho extensor podem ser parciais ou totais.

Nas rupturas parciais embora haja dor a capacidade da extensão da perna encontra-se mantida, mas nas rupturas totais isso já não acontece, impossibilitando assim o paciente de caminhar. Algumas vezes a fratura da patela ( osso de conexão desse mecanismo ) funciona da mesma forma, interrompendo esse mecanismo, necessitando de procedimentos cirúrgicos para a correção e alinhamento da mesma.

As rupturas são causadas em sua maioria devido a quedas, traumas durante atividades esportivas ou por causas indiretas. Tendões com alterações podem romper de causas espontâneas, sendo as tendinopatias (processo inflamatório e degenerativo do tendão) crônicas as causas mais comuns.

O diagnóstico é baseado na história clínica do paciente e no exame físico, com a ressonância magnética servindo de exame complementar ao diagnóstico.

A prevenção dessas lesões, são importantes para evitar que uma tendinopatia possa evoluir para uma ruptura, seja parcial ou total.

Lesões parciais são passíveis de tratamento não-cirúrgico, já a ruptura total do mecanismo extensor do joelho é uma lesão incapacitante que requer cirurgia e fisioterapia para a recuperar a função total do joelho.

Utilizamos Cookies em nosso site para você ter uma melhor experiência ao voltar a nos visitar. Clicando em “Aceito”, você concorda em salvar os Cookies no seu navegador.